O que é Psicoterapia Cognitivo Comportamental ou TCC?

Por Claudia Carvalho

Muitas vezes as pessoas perguntam qual o motivo para buscar um atendimento psicológico. Muito se fala ainda sobre um determinado equívoco: Psicólogo é para pessoas com problemas mentais graves ou que estão doentes.

Não precisamos estar doentes para buscar ajuda.

Muitas são as possibilidades em Psicologia: Aconselhamento, Orientação, Avaliação Psicológica e Psicoterapia são algumas das ferramentas utilizadas pelo Psicólogo para acolher e atender a demanda de seu paciente/cliente.

Entre as psicoterapias encontramos diversas abordagens teóricas que norteiam o trabalho do profissional. A Abordagem Cognitivo-Comportamental é uma abordagem utilizada na área da Psicologia Clínica.

O que é a Terapia Cognitivo-Comportamental ou TCC?

É uma abordagem terapêutica estruturada, diretiva, com metas claras e definidas pelo psicólogo e o cliente. Focalizada no momento presente e utilizada para tratar  problemas emocionais diversos (Transtornos Psicológicos), comportamentos, dificuldades relacionais e a aprendizagem de novas habilidades. Seu objetivo principal é obter mudanças nos pensamentos e nos sistemas de significados dos clientes (suas crenças) buscando uma alteração emocional e comportamental consolidada e permanente.

A premissa básica da TCC é a de que não é a situação que determina o que as pessoas sentem e como se comportam, mas a maneira como elas interpretam os fatos em determinada situação. Portanto, a maneira de interpretar um evento ou situação é que te faz sentir ou agir de certa maneira.

Um exemplo seria duas pessoas passando pela mesma situação, querem obter um novo aprendizado e visualizam um curso na internet.

A primeira pessoa pensa: “Muito complicado este curso. Não vou conseguir dar conta desses conteúdos difíceis”; Sentimentos: tristeza e desapontamento; Comportamento: saiu da página (esquiva ou fuga diante de dificuldades).

A segunda pessoa pensa: “Que curso interessante! Parece difícil, mas sei que se eu estudar e me dedicar, darei conta; Sentimentos: Entusiasmo e alegria; Comportamento: salvou o link do curso (pensamento realista diante de dificuldades).

A primeira pessoa nem sequer tentará fazer o curso, pois tem medo de  fracassar. A segunda terá grandes chances de se inscrever no curso e obter o sucesso em sua intenção inicial em adquirir um novo aprendizado.

Este pequeno exemplo ilustra como as nossas crenças coordenam o processo de percepção e atribuição de significados, possibilitando uma interpretação da experiência. Estas crenças são como uma lente que filtram o mundo e conferem significados que podem distorcer,  desfocar  ou  mostrar os fatos de forma mais realista.

Diante de padrões mal adaptativos (ou disfuncionais) de pensamentos, caberá ao terapeuta auxiliar o cliente a encontrar novas possibilidades de pensamentos alternativos e mais funcionais que possibilitem uma boa adaptação à sua realidade social.

Tudo começa na terapia com a identificação dos sentimentos, pensamentos e comportamentos em determinadas situações trazidas pela pessoa. À medida que a pessoa vai expressando suas emoções, o terapeuta ensinará a identificação dos pensamentos e crenças associados a seus sentimentos. Se a crença ou pensamento for mal adaptativo será corrigido e submetido a uma nova avaliação mais realista que será construída pelo cliente no processo de reestruturação cognitiva. Mudando-se o pensamento, muda-se sentimentos e comportamentos.

A terapia tem uma função pedagógica de ensinar a pessoa a detectar e reduzir os sintomas, e isto a tornará mais capacitada a usar estes recursos em sua vida como um todo. O terapeuta estimula o cliente a ter maior autonomia neste processo e não se tornar dependente do processo terapêutico.

Qual o papel do Psicólogo na TCC?

O terapeuta tem um papel ativo, colaborativo e educativo.

Ele prepara o cliente para mudar pensamentos e crenças. Isto possibilitará mais conhecimento sobre o funcionamento emocional e comportamental da pessoa em terapia.

Há uma troca na terapia em que o terapeuta ensina, e o cliente pratica e aprende a utilizar esse conhecimento a seu favor.

Haverá também tarefas que poderão ser feitas fora da terapia, em ambientes diversos, para sedimentar o aprendizado de novas situações que estimularão a autonomia e autoeficácia da pessoa em psicoterapia.

Através do processo terapêutico, cliente e terapeuta vão construindo uma convivência através do cuidado, da ética e da empatia em que a pessoa ficará à vontade para expor suas crenças, identificar seus pensamentos e examinar suas ações. Isso se chama aliança terapêutica: Um elo construído pela empatia, ética, acolhimento, reconhecimento e validação da experiência emocional, cognitiva e comportamental da pessoa em terapia.

Através deste processo o cliente aprenderá novas possibilidades de lidar com suas questões, fortalecerá suas habilidades, aprenderá novas habilidades e poderá desenvolver a resiliência. A psicoterapia é um caminho para a pessoa encontrar-se, compreender-se, desenvolver o autoconhecimento e construir novas aprendizagens e escolhas, entre várias outras possibilidades.

Fontes:

*Terapia Comportamental e Cognitivo-comportamental- Práticas Clínicas (2004).

Orgs: Cristiano Nabuco de Abreu, Hélio José Guilhardi. São Paulo. Rocca.

*Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: Um diálogo com a Psiquiatria (2011). Bernard Rangé & Colaboradores. 2 ed. Porto Alegre. Artmed.

*Introdução à Terapia Cognitivo-Comportamental Contemporânea (2014). Stefan G. Hofman. Porto Alegre. Artmed.

*Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: teoria e prática (2004). Renato Caminha, Ricardo Wainer, Margareth oliveira, Neri M. Piccoloto. São Paulo. Casa do Psicólogo.

Comentários

Related posts:

Gostou deste post? Compartilhe!