Vamos falar sobre Depressão?

Por Adriana Maximina Volsi

Gostaria de propor um tema muito importante hoje.

Vamos falar sobre Depressão?

A OMS (Organização Mundial da Saúde) escolheu como campanha para o dia Mundial da Saúde em 2017, alertar a população sobre a Depressão.

Essa campanha foi denominada “Let’s talk”, que em inglês, significa: “vamos conversar”.

Sim, vamos conversar e, precisamos conversar muito e sempre!

A conscientização é um caminho para a prevenção!

A Depressão é um Transtorno que afeta milhares de pessoas de qualquer idade e em qualquer etapa da vida. Aproximadamente 330 milhões de vidas sofrem com esse tipo de transtorno mental e está aumentando cada vez mais anualmente no Mundo por vários fatores, como por exemplo: excesso de trabalho, excesso de consumismo pelas melhores roupas, sapatos e viagens que não se pode pagar, desejo desenfreado para viver de aparências, numa sociedade que se valoriza o TER ao SER. E claro, não podemos deixar de mencionar que os conflitos da infância, adolescência, baixa autoestima, predisposição orgânica,  também contribuem para o surgimento desse transtorno.

Ainda não está convencido, de que essa campanha tem que rodar o mundo?

A Depressão traz prejuízos em praticamente todos os setores da vida: escola, trabalho, vida familiar, relacionamento conjugal, e ainda em casos extremos pode leva ao Suicídio. Sim pode levar ao Suicídio. Estima-se que pessoas entre 15 e 29 anos, morrem por suicídio no Mundo.

A doença é um problema Global.

No Brasil, o custo médio do absenteísmo por depressão é um dos mais altos do mundo, chegando a 1.361 dólares anuais por pessoa (OMS).

Na América Latina, o Brasil é o campeão em número de pessoas diagnosticadas com depressão, sendo 5,8% da população, segundo a OMS.

E então, quer saber mais?

A Depressão é aquela tristeza que não acaba mais. São dias e dias, com falta de energia, irritabilidade, falta de interesse, sonolência ou insônia diária, pensamentos de tristeza, dores nas pernas e muitas vezes, pensamentos de procurar um caminho sem volta.  Dificuldades de concentração e apatia complementam o quadro. E vejam só, esses são só alguns dos sintomas desse transtorno mental.

É uma doença delicada, pois na maioria das vezes pode ser confundida com tristeza, preguiça ou desmotivação. Principalmente na adolescência, que é um fase de alterações hormonais, conflitos com os pais, insegurança e desejo de se colocar no mundo. Por isso, requer uma atenção redobrada por parte dos amigos, colegas e familiares.

Ao menor sinal, busque orientação de um profissional da área de saúde para uma avaliação e encaminhamento. Esses sinais podem ser frases de desesperanças, vontade de não ir ao colégio ou trabalho. Uma pressão esmagadora por acreditar numa insuficiência na vida, que duram semanas a fio.

Como lidar?

Em casos mais leves a busca por psicoterapia e a realização de atividades físicas minimizam quase que na totalidade esses sintomas.

Já em casos mais moderados ou graves, a utilização de antidepressivos será fundamental desde que bem diagnosticado por um médico psiquiatra e que associado à psicoterapia, trazem resultados mais efetivos.

Mas atenção: em casos mais graves  a pessoa não tem condições de fazer essa avaliação sozinha e tomar decisões para pedir ajuda. O apoio de um amigo ou familiar é fundamental para ajudá-la a dar conta desse momento de crise.

Espero que neste pequeno post eu tenha conseguido te alertar sobre a depressão e espero que estas informações ajudem você a alertar outras vidas também.

Comentários

Related posts:

Gostou deste post? Compartilhe!